Histórico

Primeiras turmas formadas em Ivinhema.

 

            Na gestão do governador, Dr. Pedro Pedrossian, secretario de Educação e cultura, professor Joaquim Alfredo Soares Viana, delegada Regional de ensino de Nova Andradina, professora Maria Jose do Amaral Camargo e administração municipal do senhor Carlos Alberto Correa Leite, deu-se a criação, autorização e funcionamento do Ginásio Estadual de Ivinhema, o qual por falta de instalação própria, permaneceu em funcionamento em um prédio particular, construído com três salas de aula e uma secretaria, prédio esse construído de madeira, situado a Avenida Estados Unidos s/n no bairro piravevê e de propriedade da firma SOMECO S/A.

            A escola foi autorizada pelo Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso, pelo parecer n°56/71 de 07 de junho de 1.971, baseada nas diretrizes e bases da Lei Federal n°4.024 de 20 de dezembro de 1961 e Leis Estaduais n°1922 de 05 de novembro de 1963 e n° 2.821 de 14 de março de 1968 e criada pela Lei n°2.518 de 22 de novembro de 1965, com a denominação de Ginásio Estadual de Ivinhema, tendo na direção o professor, Jose Norbiato Martins, o qual permaneceu no cargo ate o ano de 1975, sendo o mesmo admitido pela autorização n°430/70 de 16 de abril de 1970 e como secretaria a senhora Marta Lobs Kasukat.

            O corpo docente era formado de quatro professores normalistas, todos vindos do estado de São Paulo.

Foram eles:

Odília Correa

Helio de Souza

Neusa Maria Domeni Gomes

Alzira Aparecida Galvão

 

O curso ginásio funcionava no período noturno, com três salas na primeira serie, com um total de 56 alunos.

            Já no ano de 1969, a Escola contava com 154 alunos, em duas primeiras series e duas segundas. Como podemos observar houve um crescimento de 175% no total de alunos de um ano para outro.

            No corpo docente houve a nomeação do professor Everaldo Santiago Leite em substituição ao professor Helio de Souza o qual solicitou demissão do cargo.

            No exercício letivo de 1970, o ginásio Estadual de Ivinhema, que havia iniciado com 56 alunos, contava com três primeiras series, duas segundas e uma terceira, perfazendo um total de 194 alunos, tendo um acréscimo de 26,6% relativo ao ano anterior.

            Contava seu corpo docente com um aumento de 11 professores sendo eles:

Elizeu Vilele Berbel

Ivanil Tendolo

Maria Auxiliadora Alves

Maria das Graças Ferreira

Maria Hernandes

Marilene Tendolo

Neusa Pires

Nilma Gloria Geraci Gazineu

Odon Pereira de Oliveira

Ursula Marlei Fischer

Valter Martins da Rocha

Foram nomeados ainda os seguintes funcionários:

Caetano Garrido como inspetor de alunos.

Lorides de Mendonça Afonso como escrituraria.

Lucia Cardoso da Silva como auxiliar de limpeza.

Ragustiano Alves da Silva como porteiro.

 

Cumpre-nos salientar que no primeiro trimestre deu-se a remoção dos alunos para um novo prédio ora construído pelos poderes públicos Estaduais, obra esta construída no governo de Pedro Pedrossian, composta por seis salas de aula, uma secretaria, uma cozinha e dois sanitários para ambos os sexos, localizada a rua 03 s/n, bairro piravevê, em terreno doado pela SOMECO S/A.

            Nesse ano o curso ginásio começou a funcionar também no período matutino.

            As matriculas, nesse exercício sofreram acréscimo de 25,6% pois nesse ano atingiram 245 alunos, funcionando duas turmas no período matutino e seis no período noturno, assim distribuídas: quatro salas de primeira serie, duas de segunda, uma de terceira e uma de quarta.

            Com a desistência de alguns professores, outros foram contratados para suprirem os cargos vagos. Tendo-se demitido a senhora Marta Lobs Kasukat do cargo de secretaria, substituiu-a o professor Sideney Carlos Costa.

            Nesse período letivo deu-se a primeira turma de quartanistas, composta por treze alunos, sendo eles.

Alice Vaz de Mello

Elcio Ronchesel

Epaminondas Amaral Alves

Ivone Monteiro

Jacira Monteiro

Jose Carlos de Souza

Leonildo Gonçalves

Marly Terezinha Kistner

Nelson Kiyeshi Kozuka

Neusa Eugenia dos Santos

Saeko Okahara

Tarciso Marcelino Caldas

Valter Mary Bumbieris

Nessa época as matriculas se elevaram a 348 alunos, distribuídos em varias turmas no período diurno e noturno, tendo um aumento de 40,5%

Tendo concluído nesse ano a quarta serie dezoito alunos.

Com a acelerado aumento de alunos, não comportando o estabelecimento tão elevado índice de discentes, foi criada nesta cidade, no bairro guiray, a escola Estadual de 1° e 2° Graus Reynaldo Massi, sendo a mesma construída e inaugurada pelo governador Dr. Jose Fontanilha Fragelli no mês de agosto de 1973, tendo como diretor o professor Sideney Carlos Costa, o qual ate a presente data exercida o cargo de secretario nessa escola.

Nessa ocasião, por determinação da delegada regional de ensino de Nova Andradina, professora, Maria Jose do Amaral Camargo, foram transferidos desta escola para o outro estabelecimento ora inaugurado, uma quinta serie, uma sexta, uma sétima e uma oitava, perfazendo um total de 178 alunos.

O ginásio Estadual de Ivinhema, que era regido pela Lei n° 4.024, onde funcionava independentemente, primário e ginásio, passou a ser regido pela Lei n° 5.692 do 11 de agosto de 1971, a qual integra o primeiro grau em nível de I e VIII e em cuja reforma, a escola passou a denominar-se escola Estadual de 1° Grau de Ivinhema, funcionando com três períodos, somando 696 alunos, tendo um aumento de 100% em proporção ao ano anterior.

Onde-se vista a transferência da oitava serie para a escola Estadual de 1° e 2° Graus Reynaldo Massi, neste estabelecimento não houve concluintes oitavanistas.  

A escola Estadual de 1° Grau Ivinhema no ano de 1974, mediante a demissão do professor Sideney Carlos Costa em agosto de 1973, foi contratada a senhora Lorides de Mendonça Afonso, para exercer o cargo de secretaria, a qual foi ate o presente prestava serviços como escrituraria.

Como auxiliares administrativos, foram contratados: Ana Meili, Alba do Prado Galvão e Mauro Procópio  da Silva, bem como, para auxiliares de limpeza, a senhora Irma Severino de Souza e Genera Araújo de Brito.

Dos professores antigos, restavam-nos poucos. Agora porem, seu corpo docente é muito maior, tendo-se em conta o considerável aumento dos discentes que contavam com 761 alunos, tendo esse ano a porcentagem elevada de 9,3% em relação ao ano anterior. Alunos esses, distribuídos em vinte turmas nos três períodos, permanecendo parte do nível I a IV, alojada no antigo prédio de propriedades da SOMECO S/A onde começou a funcionar o ginásio Estadual Ivinhema.

E de se observar, que ate o presente ano, todos os professores se deslocaram dos Estados de São Paulo e Paraná, muitos deles habilitados com cursos Universitários.

Nesse exercício letivo, concluiu a primeira turma de oitavinistas desta escola, num total de 15 alunos, sendo eles.

Deolinda Bianchi

Genora Araújo Brito

Idelma Tereza Benessi

Jussara Cristina Martins

Manoel Aprígio Motta

Maria Aparecida da Silva

Maria Inês Tiburcio Martins

Maria de Lourdes Ferreira

Maria Madalena da Silva

Nelson Ferreira da Silva

Rosa Maria Cavalcante

Sandra Márcia Rossi

Sergio dos Santos

Solange Rego da Cruz

Valdemar Manchi

 

Em 1975 através do decreto n° 269 de 06 de novembro 1975 e autorização n° 156/75 homologado pelo governador Dr. Jose Garcia Neto, a escola Estadual de 1° Grau Ivinhema, passou a denominar-se “Escola de 1- Grau Senador Filinto Muller”, em homenagem ao ex senador Filinto Muller.

Exercia na ocasião os cargos de secretario de educação e cultura o Dr. Louremberg Ribeiro Nunes Rocha, delegado de educação e cultura professor Braz Sinigaglia e prefeito municipal senhor Luiz Grandi.

Há 14 de maio de 1975, assumia o cargo de diretor o professor Luiz Prado, nomeado pelo decreto de 23 de julho de 1975 em substituição ao professor Jose Norbiato Martins que solicitou demissão.

A escola contava no referido ano letivo, com 841 alunos distribuídos em 24 turmas nos três períodos, atingindo em proporção ao ano anterior um acréscimo de 10,5%. Os concluintes atingiram um total de 36 alunos.

Há de se ressaltar que havendo concluído a primeira turma de professores normalistas no ano de 1974 na escola Estadual de 1° e 2° Graus Reynaldo Massi, no ano seguinte os estabelecimento de ensino puderam contar no seu corpo docente com os mesmos, na tarefa educativa. Podemos citar entre eles:

Alba Regina Galvão Martines

Orelice Escarmanhani Ferreira

Maria Bianchi

No ano seguinte, prevendo-se o acumulo de alunos, a direção do estabelecimento solicitou da firma, SOMECO S/A  a cessão das dependências de um antigo hospital de sua propriedade, situado a avenida Estados Unidos s/n, bairro piravevê, que foi pela mesma, devidamente remodelado para que ali se alojassem cinco turmas de alunos excedentes, pois de acordo com os alunos matriculados, que atingiram um total de 971, 15,45% alem do ano anterior, não teriam condições de escolaridade. A extensão acima citada, funcionou somente nesse ano.

Com as duas extensões com sete salas de aula e incluindo a sede da escola, funcionou em 1976, três períodos divididos em 27 turmas. Concluíram a oitava serie 29 alunos.

No departamento administrativo da escola deu-se demissões de Alda do Prado Galvão e Ana Meili, ambas auxiliares administrativas, sendo respectivamente substituídas por Ecidir Jose Camargo Hernandes e Rosa Aparecida Squinelo.

Dando ainda o aumento das salas de aula, foi admitida a senhora Arselia Aguilar Matheus como servente.

Criada em 04 de fevereiro de 1976 a associação de Pais e Mestres da escola Estadual de 1° Grau Senador Filinto Muller, em constantes campanhas realizadas entre alunos, pais e comunidade, pode trazer grandes melhorias, destacando-se os reparos nas instituições escolares, onde, em julho do mesmo ano, pudemos contar com uma reforma parcial e pintura geral no estabelecimento.

No ano de 1977, tendo-se verificado através de um levantamento feito pela prefeitura municipal, esta constatou a necessidade de se implantar no seu vizinho distrito de Amandina, uma extensão de nível V e VIII, sob a jurisdição da escola Estadual de 1° Grau Senador Filinto Muller. Em março do mesmo ano, começou a funcionar a referida extensão com um total de 54 alunos, distribuídos em duas quinta series funcionando no período noturno. Para tanto, foram contratados, os seguintes professores:

Aurelina Nery Gonçalves

Ivone Nery da Silva

Maria Ivone de Oliveira

Maria Sampaio Batista

E como auxiliar administrativo o professor Milton Rosa.

Já na sede da escola, foi solicitada demissão do funcionário Ecidir Jose Camargo Hernandes, o qual foi substituído pela senhora Francisca Aparecida de Marlucia da Silva.

A escola sede e suas extensões, contava com um total de 971 alunos distribuídos em 26 turmas, funcionando no período matutino, vespertino e noturno, tendo concluído este ano a oitava serie 39 alunos.

Fato curioso é que em 1977 o numero de alunos coincidiu exatamente ao do ano anterior.

No inicio do presente ano, destacamos a criação e funcionamento do curso de 2° grau habilitação de auxiliar em escritório, através do decreto n°1297 de 31 de março de 1978. homologado pelo governador Dr. Jose Garcia Netto, tendo ainda como secretario de educação e cultura o Dr. Louremberg Ribeiro Nunes Rocha, delegado regional de educação e cultura o professor Braz Sinigaglia e como prefeito municipal, Paulo Rodrigues dos Santos. Com a instalação do 2- grau a escola denominou-se Escola Estadual de 1° e 2° Graus Senador Filinto Muller.

Iniciando o ano letivo, as matriculas iniciais atingiram 697 dos quais 37 a nível de 2° graus, 1° serie, funcionando o referido curso, numa única turma no período noturno.

Por outro lado, deu-se a extinção e demolição de uma extensão situada a avenida Estados Unidos s/n bairro piravevê, de propriedade da SOMECO S/A, a qual abrigava desde 1973, os alunos excedentes de nível I a IV cesta básica.

A referida extensão, no ano de 1977, abrigava nada menos que 300 alunos. Com isso, ocorrendo no vigente ano, um decréscimo acentuado de 29% relativo ao ano anterior.

Resta-nos, entretanto, acrescentar que a referida extensão foi demolida conforme a construção de um novo estabelecimento de ensino com seis salas de aula que veio sanar a carência de vagas.

Finalizando o presente histórico, não poderíamos deixar de ressaltar os incentivos e colaborações que durante estes anos recebemos da secretaria de educação e cultura através de seus órgãos competentes; da 19° delegacia Regional de educação e cultura por meio de seus vários setores; das administrações publicas municipais bem como da associação de pais e mestres, que desde sua recente criação não tem medido esforços ao bem do educando.

Cumpre-nos, ainda frisar o relevante papel do corpo docente, sempre atuante na sua nobre carreira, funcionários dedicados a luta cotidiana, lembrando todavia o verdadeiro amparo de toda comunidade, quando as causas da educação, pois temos contado com a ajuda em todas as realizações pelos diversos órgãos escolares e seu transitório corpo discente, o qual com o passar dos anos conseguiram formar casa sólida, tanto na formação cultural, quanto moral e social, demonstrando assim, que não foram inúteis as lutas no sentido de formação do povo, o qual, esta gradativamente integrando a sociedade constituída.

 

 

  

 

 

 

                                                                                                         

 

Informações adicionais